terça-feira, 26 de agosto de 2008

Ego


Quando era criança e não sabia o que era uma lâmina de barbear, encontrei uma do meu avô, por acaso, e fiquei fascinada. Passei os dedos pequeninos naquele lindo tesouro e logo descobri que coisas belas podem ser perigosas, que as aparências enganam e principalmente que sou imprudente demais.
Sempre fui assim e acabo por me machucar, acabo por machucar os outros. Acabo por estragar tudo.
Rasgo as cortinas, derrubo os vasos e os estatelo. Derramo o vinho nos tapetes e mancho as belas estampas.
Então perco, perco as coisas de valor, tentando achar meu valor próprio.
E algumas vezes acaba sendo tarde demais, ninguém tolera a precipitação.
Tantas vezes giro os ponteiros na direção contrária.
Sinto-me cansada de envergonhar-me por pisar em falso.
Vivo misturando as cores sem saber o tom que vai dar.
Faço a lição ao avesso, assopro e derrubo o castelo de cartas.
Sou assim.
Forço, empurro, puxo e quebro as coisas mais bonitas.
Perco a beleza, a minha e a vossa, pois a leviandade é irmã da indiferença.
Bato as portas com força demais, não consigo ter a noção da intensidade das coisas, flutuo sem ter onde me segurar. Como Delírio.
Falei alto quando deveria ter silenciado, desafinei e saí de todos os tons.
Apaguei as estrelas do céu e fiquei no escuro sem sua companhia amiga.
Não sei medir conseqüências. Por isso fico no escuro.
E mesmo que eu pense em chamar as estrelas, elas não volveriam seus brilhos para a inconstância de uma criança delirante.
Então eu fico no escuro para aprender, aprender a não machucar, a ser cautelosa, a ouvir.
Fico no escuro, até o dia nascer e o Sol chegar.

4 comentários:

Sumaya disse...

Uma criança imprudente sim, mas sempre corajosa pra seguir seu próprio caminho sem medo dos cortes ou tropeços, te amo minha irmã.Bjus

Rebeca dos Anjos disse...

Será que todos os virginianos são assim?

Nossa! Eu me li no seu texto,lindona!

E vâmo aí, movimentando o mundo!!!

=*

O empírico disse...

Cara, li isso sem saber que tinha sido vc... hahahahaha
Ai, escrevi como se fosse pra outra pessoa...

Mas vai, moça! Continua afetando o mundo ai. Um dia você aprende a não quebrar os presentes ou começa a acreditar que os presentes quebrados deveriam ser mais resistentes.

;)

Grande beijo.

Joyce disse...

Fale, sorria, brigue, beba, cante, grite, dance, pule, chore, flutue, respire.. e no final Viva, cada dia como se fosse ultimo.

Licença Creative Commons
This work by Sueysa de Andrade Pittigliani is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License.
Based on a work at sukapitt.blogspot.com.