sábado, 7 de janeiro de 2006

Circulos e teias

A mesma dor que lhe aguiloa me atormenta, A falta de cor no teu olhar me entristece, Estamos presos na mesma teia, Nada parece mudar, Eu busco as respostas, mas nem sei onde as buscar, Ninguém pode ser culpado, nem a vida, nem o destino, Ninguém está fadado, mas mesmo assim estamos presos nesta teia, Se pudesses me ouvir, Se eu pudesse lhe falar, Não precisa chover o tempo todo, Será que eu tenho culpa?, Segure minhas mãos. Segure minhas mãos e me eleve, queria poder te resgatar, Não sei o que queria, Sei apenas dessa prisão, Desse ritmo, destas cenas repetidas, desses círculos nos quais tenho andado, E nem sei se te encontro, nem sei se me encontro, Só sei que eu tento, eu tento respirar, eu tento abrir os olhos, eu tento. Mas a cor cinza em teu olhar sempre pesa em minha consciência dilacerada. E ela me tortura . Como eu queria te colorir, como queria te apagar... Como eu queria...
Dúvida.

4 comentários:

Olhos Clínicos disse...

Até que enfim, hein!!! Tava com saudade de novidade aqui!!!!

Falar com a Dúvida deve dar mais dúvida ainda, né??

Mil beijocas!!!! E atualize mais, viu?

O empírico disse...

Muito bom isso... muito bom mesmo...

Ale Lorao disse...

Essa teia parece uma grande cama de gato! Puxamos o nó errado e pronto, tudo se desfaz...(ou não). Arriscar-se? Mudar? Encarar? Aceitar? É um jogo? Posso jogar mais de uma vez? Qual é o prêmio?

Dúvida...ela esteve aqui semana passada... conversamos e a mandei ir embora depois de um gostoso copo de vinho...ela se foi mas depois me questionei: deveria ter mandado ela embora? Duvida....

Marcelo Soli disse...

não sei se é isso...mas percebo uma certa dor...dor de estar preso...de querer se fazer prisioneiro...de precisar da teia...

(ih...viajei!rs)

Licença Creative Commons
This work by Sueysa de Andrade Pittigliani is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License.
Based on a work at sukapitt.blogspot.com.