sábado, 5 de janeiro de 2008

Fronteiras


E foi isto que aconteceu.
Foi assim que me senti.
Sozinha, lá no meio da noite, do dia, das tardes.
Perdida em uma ilha, vendo distantes terras floridas,
O verde e o azul se encontrando, a prata e o ouro se entremeando.
Fantasiando, almejando sublimidades que nem sei se existem.
Gostaria que existissem.
Poder tocar a lua, e não mais planear.
No entanto deixei que morressem com o sol as minhas canções.
Via o Éden, por trás dos meus olhos,
Mas poderia ser qualquer outra coisa.
Tudo pode ser miragem, se não há provas concretas.
Afinal, os olhos são meus, as mãos e a boca também.
Posso ludibriar meus sentidos com o torpor dos meus sonhos.
E sair andando a esmo com os pés descalços.
Até poderia, se percebesse que existe o que vejo em meu imaginário.
Como estar certo de que algo é real?
Não é coragem que me falta, é ciência.
Eu consigo, se souber que é verdade.

2 comentários:

Secret poet of love disse...

Amei esse, parece com oq escrevo!!tem o mesmo pensamento!!muito bom mesmo...
entra no meu: poetamkt.blogspot.com

Sumaya disse...

É minha irmã,as vezes vemos o que queremos ver, ou será que sso faz parte das nuances?Adoro seus textos e te tenho grande afeto,rsrsrs te amo mesmo!

Licença Creative Commons
This work by Sueysa de Andrade Pittigliani is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License.
Based on a work at sukapitt.blogspot.com.